IPCA e CPI: indicadores de inflação apontam para juros ainda maiores nos EUA e Brasil
Filtro de Categorias
12/05/2022

InfoMoney

IPCA e CPI: indicadores de inflação apontam para juros ainda maiores nos EUA e Brasil

Os números desta segunda-feira mostram que a escalada global de preços não está dando trégua

IPCA e CPI: indicadores de inflação apontam para juros ainda maiores nos EUA e Brasil

Dados de inflação estão no foco dos negócios desta quarta-feira (11) e mostram que a escalada global de preços não está dando trégua. Aqui no Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 1,06% em abril na comparação com março, praticamente em linha com o consenso do mercado (1%). Nos Estados Unidos, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês), variou 0,3% de março para abril – o mercado previa alta de 0,2%.

Ainda que não tenham vindo muito diferentes do consenso de economistas e analistas, em ambos os casos, os índices reforçam preocupações de um ciclo de aperto monetário mais agressivo. Aqui no Brasil, onde os juros estão na casa de dois dígitos (e a inflação também), é um sinal de que a Selic deve continuar subindo.

A inflação em abril também marcou a pior variação anual desde 2003, alta de 12,13%. Para o mês, a alta de 1,06% foi a maior desde 1996.

“Com IPCA de hoje, ficou claro que teremos alta de juros em junho”, diz Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos. Ele explica que o IPCA desacelerou em relação à março (quando avançou 1,62%), o que já era esperado, pois entrou em vigor a bandeira verde da tarifa de energia. Mas os alimentos pesaram mais, sobretudo produtos de trigo e soja, impactados pela oferta escassa das commodities com a guerra da Ucrânia. “Por mais que o conflito seja distante do Brasil, os efeitos chegaram no dia a dia da população”, afirma.

O Goldman Sachs observa que o núcleo da inflação registrou alta acima do esperado de 0,95% em abril, acelerando para 9,69% anualmente. A inflação entre bens duráveis está em alta de 14,96% ano a ano, bem como a de bens industriais, que permanece elevada, em 14,22% ano a ano (de 13,44% em março).

O banco volta a salientar que “a inflação está não apenas muito alta, mas também altamente disseminada; projetada para permanecer acima de 10% até agosto de 2022”.

“Espera-se que o choque amplo e provavelmente duradouro nos preços das commodities e outros custos de produção de logística/insumos mantenha as pressões inflacionárias dos preços ao consumidor no curto prazo altas, apenas parcialmente compensadas pelo declínio anunciado nos tarifas de eletricidade”, diz a análise.

Perspectivas de inflação no Brasil continuam piorando, destaca XP

O IPCA de abril também veio acima da expectativa da XP (que projetava variação de 0,95%). A casa explica que a diferença entre as estimativas e o resultado real deveu-se, principalmente, ao aumento mais acentuado dos preços de “saúde e cuidados pessoais”.

Além disso, a XP destacou que a projeção de alta de 7,4% para o IPCA de 2022 está claramente inclinada para cima e caso alguns riscos se materializem (como parece acontecer), a inflação ao consumidor ficaria entre 9,0% e 9,5% neste final de ano.

Novas interrupções na cadeia de suprimentos, causadas pela “política de zero Covid” na China, e uma guerra prolongada na Ucrânia, acarretam riscos adicionais. A inflação de bens industriais pode chegar a 10% este ano, somando 70 pontos-base à expectativa da XP para o IPCA de 2022.

“O que mais preocupa, entretanto é o qualitativo do índice, que continua bastante negativo, registrando uma medida de difusão perto dos 80% e núcleos ainda bastante pressionados”, afirma Luca Mercadante, economista da Rio Bravo.

As projeções da casa de análise também estão cada vez mais altistas e é provável que a inflação fique acima dos 7,2% projetados para 2022. “A partir de maio, a inflação deve começar a desacelerar, mas com a persistência da alta de preços, a queda tende a ser mais lenta do que o esperado anteriormente, piorando as expectativas para o ano”, conclui Mercadante.

Newsletters

Cadastre-se e receba notícias
toda semana direto no seu e-mail!

Clique aqui

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao navegar em nosso site, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir